Sexta, 27 de maio de 2022

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 02/12/2015

MARCELO RAMOS #Alunos sem merenda, professores sem transporte e alimentação

MARCELO RAMOS #Alunos sem merenda, professores sem transporte e alimentação

Quando era vereador relatei o Plano de Cargos dos Professores da Semed, conseguimos incluir a data-base e a progressão vertical e horizontal automática na carreira do professor. Ainda no processo de debate da lei demonstrei aos Secretários da Semed e da Semad que era possível dobrar (100% de aumento) o valor do vale alimentação. Isso foi em 2008.


Acontece que, pela primeira vez na história, o Prefeito de Manaus deixou de pagar o vale alimentação e também o vale transporte dos professores. Alegou que era um erro de folha e que seria pago hoje (30.11), de novo não pagou. Agora prometem pra quarta (2.12). Isso é uma atitude vergonhosa.


Não bastasse, a prefeitura não cumpre o que determina o PCCS no que diz respeito à progressão vertical e horizontal dos professores e falta transparência na aplicação dos recursos do FUNDEB.

 

Nossos professores não merecem isso, assim como os alunos não merecem a falta de merenda nas escolas.

 

O prefeito não pode continuar gastando com o supérfluo e deixando de cumprir suas obrigações com o que é essencial.

 

Nós momentos de crise, homens públicos responsáveis, economizam em áreas secundárias para manter a qualidade da educação, único caminho de redenção para as nossas crianças e, consequentemente, para a nossa cidade.

 

O prefeito de Manaus faz o inverso. Reduziu em 16% o orçamento da educação para manter a sua estratégia de vender uma cidade que só existe nos seus delírios.

 

A cidade não merece um prefeito que deixa alunos sem merenda e professores sem vale alimentação e vale transporte.

 

*O autor é advogado, escritor e professor

 

Tags:

Sobe Catracas

GLAUCIVAN SILVA, artista plástico

Foi o vencedor do concurso do Cartaz Oficial do Festival de Parintins 2022

Desce Catracas

JAIR SOUTO, prefeito de Manaquiri (AM)

Grupo de 52 prefeitos, dos 62 chefes de Executivo, esvaziou Associação de Municípios Amazonenses, que ele presidia, e criou outra entidade