Sexta, 27 de maio de 2022

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 15/09/2015

WILSON NOGUEIRA #Quero Ser Prefeito

WILSON NOGUEIRA     #Quero Ser Prefeito

Quero ser prefeito de Parintins. Penso nessa possibilidade toda vez que vejo a cidade em que nasci vítima da ineficiência – e também da possível má-fé – dos seus gestores. Não dá para entender os prováveis porquês de a cidade ainda não ter implantado um sistema de coleta e tratamento de lixo ambientalmente correto. O que sê viu nesses últimos anos – e se vê hoje – é a mera retórica política sobre esse tema, enquanto Parintins aparece, cada vez mais, igual a uma lixeira a céu aberto.  

A sujeira generalizada é uma das condições mais vergonhosas que se pode impor aos moradores de uma cidade. Aqui, o problema é tão grave que, em situação “normal”, o lixo é despejado em área saturada para essa finalidade. Lixo é lixo! Faz mal à saúde. Enfeia a cidade. Fede. O que seria de Parintins sem os urubus, essas aves devoradores de bactérias? E ainda houve quem quisesse exterminá-las por envenenamento. Pobre é a cidade que cai nas mãos de gestores inaptos! Assim, toda vez que o lixo retorna à agenda das urgências e emergências públicas – apenas como discussão de momento entre oposição e situação –, sem que se vislumbre qualquer solução de bom senso, sinto vontade de ser prefeito.

 

A coleta regular e processamento sustentado do lixo é, certamente, um desafio à gestão de qualquer cidade. Em Parintins não poderia ser diferente. Não deve ser fácil encará-lo como política pública, principalmente pelos políticos que negligencia a (res)publica.  Mas não há desordem que não possa ser superada por governantes determinados e honestos em suas ações. Por sinal, gestores públicos com tais qualidades não são raros só por aqui. Daí a persistência de problemas socioambientais crônicos, como o do lixo, que não resistiriam à criatividade, à transparência e à vontade política em favor do bem viver da população.

 

A solução desse problema não tem fórmula pronta. Exige, sim, disposição para se construir um amplo diálogo com os munícipes por meio das suas instituições, entre as quais, a Câmara de Vereadores, as associações de moradores, os sindicatos de trabalhadores, as igrejas, as cooperativas, as escolas e as universidades. Parintins possui massa crítica e criativa para colaborar com a administração pública, desde que seus gestores não se fechem em suas arrogâncias. Aliás, a soberba, a mesquinhez da política rasteira e a ganância de pessoas e de grupos têm desdenhado da capacidade dos parintinenses para inovar e vencer desafios. Caso não fossem capazes de lidar com atividades complexas, os bois-bumbás de Parintins não teriam se transformado nesse espetáculo midiático que se inscreve entre os mais arrojados do Brasil.

 

A essa altura, o leitor atento já deve ter perguntado: e por que essas capacidades não irrigam a política com soluções inovadoras? Ora, porque os partidos políticos, as vias de acesso ao jogo da escolha por eleição direta, estão amarrados às velhas estruturas oligárquicas e antidemocráticas do País. E os donos desses partidos, no geral, negam uma reforma política de verdade. Eles preferem manter esse círculo vicioso do poder pelo poder, prática que exclui as novas ideias e torna a política partidária necrosada.

 

A questão do lixo é a que mais me incomoda e mais me envergonha, mas não é a única. É só observar o que diz a mídia local para constatar que Parintins hoje é uma cidade insegura e sem outros serviços públicos básicos (há carência de hospitais, profissionais da saúde e equipamentos médicos, por exemplo) que façam jus à sua localização estratégica e visibilidade social. A coleta e o destino sustentável do lixo, por meio de tecnologias já disponíveis no mercado, deve ser a prioridade de qualquer governante que, para além das suas vaidades pessoais, se proponha a cuidar de forma zelosa e responsável do lugar onde mora. 

 

Quero ser prefeito, assim como devem querer outros conterrâneos que se sentem indignados com os maus-tratos cometidos contra Parintins por sucessivas gestões que, ao que parece, transformaram um problema tão perigoso para a vida da população em prováveis negócios escusos, e também em oportunismo eleitoral. Quero ser prefeito para descobrir os segredos que tornam a nossa cidade refém da resistível ascensão das agressões à sensatez.

 

Quero ser prefeito... e pronto!

 

Nem partidos nem políticos me impedirão de sonhar.

 

Votem em mim!

 

* O autor é doutor em Processos Socioculturais na Amazônia, pelo PPGSCA/Ufam, e pós-doutorando do Programa em Ciências da Comunicação da Ufam.

Tags:

Sobe Catracas

GLAUCIVAN SILVA, artista plástico

Foi o vencedor do concurso do Cartaz Oficial do Festival de Parintins 2022

Desce Catracas

JAIR SOUTO, prefeito de Manaquiri (AM)

Grupo de 52 prefeitos, dos 62 chefes de Executivo, esvaziou Associação de Municípios Amazonenses, que ele presidia, e criou outra entidade