Quarta, 10 de agosto de 2022

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 03/08/2022

Exército compra sistema 'espião' de celulares e não esclarece os motivos

Ferramenta é chefiada por general colocado, pelo Ministério da Defesa, em comissão do TSE para contestar urnas eletrônicas

Exército compra sistema 'espião' de celulares e não esclarece os motivos Exército compra sistema 'espião' de celulares e não esclarece os motivos (Reprodução)

BRASÍLIA - O Comando de Defesa Cibernética do Exército (ComDCiber) adquiriu uma ferramenta que permite a espionagem de aparelhos celulares por meio da extração de dados de sistemas em nuvens e de registros públicos armazenados em redes sociais como Twitter, Facebook e Instagram.

 

A informação é da Folha de São Paulo.

 

De acordo com a matéria, a compra da ferramenta, feita com dispensa de licitação, foi autorizada pelo então comandante do Exército e atual ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira, no final de 2021. 

 

A reportagem destaca que apesar da ferramenta ser utilizada pelas Polícias Civis e Federal, além do Instituto Nacional de Criminalística e Ministério Público como forma de acessar dados a partir de autorizações judiciais, "os documentos da contratação feita para a unidade do Exército não especificam quais aparelhos celulares passariam a ser acessados nem qual é o embasamento jurídico para esse tipo de acesso a dados privados". 

 

O ComDCiber é chefiado pelo general Heber Garcia Portella, que foi designado pelo Ministério da Defesa – ainda na gestão do general da reserva Walter Braga Netto– para integrar a comissão de transparência das eleições junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

 

Portella é um dos militares alinhados ao discurso bolsonarista que questiona a higidez do sistema eleitoral e a segurança das urnas eletrônicas. Braga Netto será o vice na chapa pela reeleição de Jair Bolsonaro.

 

Ainda segundo a reportagem, a solução de espionagem escolhida pelo Exército foi a Cellebrite UFED,  que tem a empresa TechBiz Forense Digital como a única fornecedora da ferramenta no Brasil.O contrato da empresa, orçado em R$ 528 mil, foi firmado em 28 de dezembro de 2021 e é válido até 27 de dezembro de 2024.

 

 

Sobe Catracas

DOM LEONARDO STEINER, arcebispo de Manaus

Foi escolhido pelo Papa Francisco para ser o primeiro cardeal da região amazônica do Brasil, em defesa da floresta e tribos indígenas

Desce Catracas

WILLIAM FONSECA, prefeito de Oriximiná (PA)

MPPA investiga suposta promoção pessoal do prefeito, que teria 'enfeitado' a cidade durante o Círio de Santo Antonio, com seu slogan de campanha