Quarta, 10 de agosto de 2022

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 03/08/2022

Amil aciona TSE para manter candidatura ao governo do AM, suspensa pelo Psol Nacional

Candidato acusa executiva nacional do partido de ‘golpe’; ministro Alexandre de Moraes, do TSE, deve avaliar o mandado de segurança de Amil

Amil aciona TSE para manter candidatura ao governo do AM, suspensa pelo Psol Nacional Amil aciona TSE para manter candidatura ao governo do AM, suspensa pelo Psol Nacional (Foto: Divulgação)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - O advogado Marcelo Amil, escolhido neste domingo (31), como candidato ao governador do Amazonas, em convenção do Psol, acionou o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra o que ele chama de “golpe da executiva nacional do partido”, para barrar a sua candidatura.

 

A Executiva Nacional do Psol suspendeu os direitos de filiação de Amil e do seu vice, o sociólogo Luiz Carlos Marques.

 

Nesta terça-feira (2), em coletiva de Imprensa, ao lado do seu vice, Amil acusou a executiva nacional de ‘sabotagem’ à chapa, escolhida de maneira ‘legítima’.

 

O partido, a nível nacional, decidiu acatar o resultado de uma conferência eleitoral, segundo Amil, ilegal, promovida pelo Diretório Estadual do Amazonas, no dia 16 de julho.

 

Neste evento, o candidato apresentado ao governo do Amazonas, pelo Psol, foi o médico Israel Tuyuka, de origem indígena.

 

“Essa reunião foi feita logo após uma confusão promovida por esses membros do Diretório, com o objetivo de tumultuar o processo e obrigar os militantes a aceitarem os candidatos da tendência deles, fato que é de conhecimento público, durante um debate amplo solicitado pela própria Comitiva Nacional, na sede do Rio Negro Clube”, afirmou a assessoria, em texto divulgado à Imprensa.

 

Ainda conforme Marcelo Amil a convenção do diretório estadual é ilegal, pois teria sido realizada sem convocação prévia e desrespeitando uma liminar da Justiça do Amazonas.

 

A convenção que vale, segundo ele, é a que foi divulgada desde 18 de julho, que aprovou o seu nome como candidato ao governo e que teve participação de 89 filiados.

 

De acordo com Amil, a cúpula nacional quer tirá-lo da convenção da federação Rede/Psol, no dia 4 de agosto (quinta-feira).

 

O ministro Alexandre de Moraes, do TSE, é que deve avaliar o mandado de segurança de Amil.


Veja declaração oficial de Marcelo Amil

‘Não me renderei à covardia. Fui surpreendido, mas nem tanto, com um ato covarde na data de hoje. Fui informado que a executiva nacional suspendeu a mim e a presidenta Lane por seis meses. Uma suspensão ilegal, sem qualquer previsão no estatuto, sem qualquer respeito a qualquer procedimento. Não há nenhum processo aberto contra mim no conselho de ética nem em qualquer outra instância. O objetivo é simplesmente sabotar o processo eleitoral no PSOL mantendo o partido como um brinquedinho de meia dúzia.



Inventaram a primeira candidatura, inventaram a segunda, inventaram até uma candidatura de quem nem filiada ao PSOL Amazonas era, e vendo que não teriam apoio dos filiados do PSOL, tentam ganhar no tapetão.



Tenho a honra de ter sido aclamado na maior convenção da história do PSOL Amazonas. Foram mais de 150 presentes, de mais de seis municípios, 89 filiados com direito a voto.



A convenção foi convocada nos termos exatos do estatuto, registrada no TRE no dia 19 de julho, e nunca recebeu nenhuma contestação. Não recebeu porque a convocação foi formalmente perfeita.



Não aceitarei esse desrespeito à maior convenção da história do PSOL Amazonas e já recorri ao TSE para desfazer esse arbítrio. O mandado de segurança encontra-se sorteado para o ministro Alexandre de Moraes e provavelmente amanhã já devemos ter a justiça restabelecida no PSOL’.



Marcelo Amil
Pré-candidato ao governo do Amazonas pelo PSOL

Sobe Catracas

DOM LEONARDO STEINER, arcebispo de Manaus

Foi escolhido pelo Papa Francisco para ser o primeiro cardeal da região amazônica do Brasil, em defesa da floresta e tribos indígenas

Desce Catracas

WILLIAM FONSECA, prefeito de Oriximiná (PA)

MPPA investiga suposta promoção pessoal do prefeito, que teria 'enfeitado' a cidade durante o Círio de Santo Antonio, com seu slogan de campanha