Domingo, 16 de janeiro de 2022

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 09/01/2022

ROBÉRIO BRAGA - Pastorinhas de Manaus

ROBÉRIO BRAGA - Pastorinhas de Manaus Robério Braga, presidente da Academia Amazonense de Letras

Todos os anos quando chega o tempo das festas dos Reis Magos – 6 de janeiro – reconhecidos como santos pela igreja católica apostólica romana depois de muitos anos da contação de que teriam visitado o Menino Jesus, ainda na manjedoura, em gruta encravada que terminou por defendê-lo da ira doentia de Herodes, toda vez, repito, fico a recordar que eu costumava ouvir uma cantoria comum em alguns bairros da cidade, e hoje somente acontecida, ao que sei, na cidade de Parintins: “Meu senhor dono da casa/Abre a porta e acende a luz/Venho pedir esmola/pelo nome de Jesus”.

 

E como não mais ouvir falar das Pastorinhas, desde quando tentei resgatar essa tradição e o que se conseguiu foi somente algumas poucas brincadeiras que se apresentaram no Largo São Sebastião, recorri a mestre Mário Ypiranga Monteiro que é sempre uma ótima fonte de pesquisa em folclore amazonense, e o fiz para registrar essa fase na qual, para a igreja católica, se trata da confirmação de que Jesus nasceu e chegou em meio de nós.

 

Sempre soube que as Pastorinhas eram forte tradição amazonense, com música, dança, diálogos, figurino especial e colorido, cajados e pandeiros dentre os adereços, e com os brincantes formando cordões e promovendo desafios, tudo com enredo bastante popular e de fácil entendimento, embora alguns consideram uma certa monotonia na apresentação.

 

Utilizando a pista de pesquisa que Mário Ypiranga forneceu, confirmei que, de fato, trata-se de animação bem antiga, lá pelos idos de 1872 quando João Eleutério Guimarães organizou uma apresentação artística, ele que foi artista e suplente de camarista (vereador) para o mandato de 1873-1876, na capital da Província do Amazonas. Desde então, teria sido naquele evento festivo e de caráter bíblico, que houve a primeira cantoria do divino na qual os brincantes se valiam – tal como ainda se valem – das figuras excelsas da  Estrela, do Anjo, do Sol, da Lua e da Baiana, por exemplo, abandonando as mais tradicionais do Natal.

 

E foi esse experimentado pesquisador do folclore que registrou a existência, somente em Manaus, das Pastorinhas denominadas Filhas de Judá, Estrelas do Oriente, Filhas do Egito, Estrelas do Norte, Estrelas do Oriente e Filhas de São José, estas últimas que ainda andei acompanhando algumas apresentações levadas a efeito nas imediações do igarapé de Manaus.

 

Reanimado no meu desejo de projetar melhor e estudar com precisão esse festejo que encerra o ciclo natalino, fiquei deveras satisfeito em saber que Parintins continua apresentando as suas “pastorinhas”, tal como estimulei quando estive à frente da Secretaria de Cultura, em vários anos, inclusive realizando as muitas mostras de cultura popular e quando da Copa do Mundo na capital amazonense, e as inclui no espetáculo do Concerto de Natal.

 

Em certa hora da apresentação, eis que Diana, com elegância peculiar começava a cantar: “Eu sou Diana mimosa e faceira/o Deus menino venho adorar/é por isso que vivo entre as flores/colhendo borboletas para ofertar.” Ao fim, depois de muita dança e música, se despedindo do público que assistira, havia um canto geral: “Adeus presépio adorado/que encerra todo o bem/Filho da Virgem Maria/o menino de Belém.” E não faz muito que ouvi, e desde então nunca me saiu da cabeça essa homenagem singela a Jesus e que as pastoras prestam na brincadeira do tempo de Reis Magos.   

 

*O autor é presidente da Academia Amazonense de Letras (AAL) e ex-secretário de Cultura do Amazonas*                      

 

Sobe Catracas

CLEINADO MARINHO, diretor de produção

Dirigiu filme de animação com personagens indígenas em cenário pandêmico, que passa em São Gabriel da Cachoeira, e será lançado no Youtube

Desce Catracas

AGUINALDO MARTINS, ex-prefeito de Manaquiri (AM)

Após dez anos, foi processado pelo MPAM acusado de integrar esquema de emissão de notas frias para fraude no fornecimento de combustíveis, em seu mandato de 2012