Domingo, 16 de janeiro de 2022

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 07/01/2022

Prefeito de Nova Olinda paga abono do Fundeb: R$ 4,7 mil e R$ 9,4 mil

Professores protestaram e Adenilson Reis pagou ontem (6) abono de 2021, que não ocorria desde 2020  

Prefeito de Nova Olinda paga abono do Fundeb: R$ 4,7 mil e R$ 9,4 mil Prefeito de Nova Olinda do Norte, Adenilson Reis (Foto: Reprodução/Redes Sociais)

DEAMAZÔNIA NOVA OLINDA DO NORTE, AM - A Prefeitura de Nova Olinda do Norte (distante a 138 quilômetros de Manaus) pagou, nesta quinta-feira (6/1), o abono salarial do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) de R$ 4,7 mil, por cadeira, aos professores do município.

 

Professores com duas cadeiras (40 horas) receberam R$ 9,4 mil.

 

O anúncio foi feito pelo prefeito Adenilson Reis, nas redes sociais. “Ta na conta!”, diz o aviso institucional da Prefeitura.

 

O valor total do abono pago a todos os profissionais da educação, segundo a Prefeitura de Nova Olinda do Norte, foi de R$ 4,1 milhões.

 

Adenilson Reis demorou para fazer o pagamento e foi pressionado pela categoria.

 

O prefeito chegou a dizer, em vídeo, no mês de dezembro de 2021 que Lei Complementar 173, de maio de 2020, proibia o pagamento do abono, porém, nunca propôs lei específica no Legislativo, como fizeram governadores e prefeitos, para ratear as sobras do Fundeb.

 

Em 2020, Reis ignorou recomendação do Ministério Público para que ressarcisse os professores e pedagogos após corte de salários da categoria.

 

Além da redução salarial e de não pagar o abono do Fundeb, naquele ano, o prefeito só pagou o 13º salário, depois de protestos dos professores municipais.

Sobe Catracas

CLEINADO MARINHO, diretor de produção

Dirigiu filme de animação com personagens indígenas em cenário pandêmico, que passa em São Gabriel da Cachoeira, e será lançado no Youtube

Desce Catracas

AGUINALDO MARTINS, ex-prefeito de Manaquiri (AM)

Após dez anos, foi processado pelo MPAM acusado de integrar esquema de emissão de notas frias para fraude no fornecimento de combustíveis, em seu mandato de 2012