Domingo, 16 de janeiro de 2022

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 22/12/2021

Baixa procura provoca um acúmulo de doses da Pfizer na maioria dos estados

Alguns estados pediram para o Ministério da Saúde suspender, temporariamente, o envio de doses da vacina anti-Covid

Baixa procura provoca um acúmulo de doses da Pfizer na maioria dos estados (Foto: Geovana Albuquerque/Agência Saúde DF).

Doze estados e o Distrito Federal pediram para o Ministério da Saúde suspender temporariamente o envio de doses da vacina anti-Covid da Pfizer. A pandemia não acabou, a variante ômicron é extremamente contagiosa, mas a procura está baixa.

 

As prateleiras estão cheias de vacina da Pfizer. O que não tem aparecido é braço. Na Paraíba, 400 mil pessoas estão em atraso com a segunda dose e 300 mil com a dose de reforço. O estado se prepara para fazer um mutirão de vacina nesta quarta (22).

 

“Ampliar os horários de vacinação, levar vacina para perto das pessoas. Para que a gente tenha um crescimento de cobertura, e esse não é um desafio só da Paraíba”, comenta Daniel Beltrammi, secretário-executivo de Saúde do estado da Paraíba.

No Acre, o estoque de Pfizer chegou a 100 mil doses e não há mais espaço para guardar os imunizantes.

 

Ministério da Saúde recebeu o pedido de 12 estados, além do Distrito Federal, para parar de enviar, temporariamente, vacina da Pfizer: três são da Região Norte, cinco do Nordeste, dois do Sudeste, um do Sul e dois do Centro-Oeste.

 

Além de ter vacina em número suficiente, as secretarias estaduais de Saúde argumentam que o curto prazo de validade da Pfizer e as condições necessárias de refrigeração dificultam o armazenamento de mais doses.

 

Já Alagoas, Pará e Paraná pediram ao Ministério da Saúde para receber menos doses da Pfizer.

 

Leia mais no G1.

Sobe Catracas

CLEINADO MARINHO, diretor de produção

Dirigiu filme de animação com personagens indígenas em cenário pandêmico, que passa em São Gabriel da Cachoeira, e será lançado no Youtube

Desce Catracas

AGUINALDO MARTINS, ex-prefeito de Manaquiri (AM)

Após dez anos, foi processado pelo MPAM acusado de integrar esquema de emissão de notas frias para fraude no fornecimento de combustíveis, em seu mandato de 2012