Domingo, 16 de janeiro de 2022

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 26/11/2021

Juiz decreta prisão de técnico em enfermagem acusado de estuprar uma grávida, em Itacoatiara

Caso aconteceu em outubro deste ano, dentro do Hospital Regional, segundo a vítima

Juiz decreta prisão de técnico em enfermagem acusado de estuprar uma grávida, em Itacoatiara (Foto: Reprodução/Arquivo Acrítica)

DEAMAZÔNIA ITACOATIARA, AM - O juiz Gonçalo Brandão de Sousa, da comarca de Itacoatiara (a 170 quilômetros de Manaus), decretou, nesta quinta-feira (25/11), a prisão preventiva do técnico em enfermagem Silvio Nunes Froes, acusado de estuprar uma jovem grávida, dentro do Hospital Regional José Mendes, no município.

 

O caso aconteceu em outubro deste ano.

 

O juiz deferiu pedido da Polícia Civil, interpelada pelo titular da Delegacia Especializada de Itacoatiara, delegado Paulo César Barros Filho.

 

Nesta quinta-feira (25), a vítima relatou, pela primeira vez, em audiência pública da Defensoria Pública do Estado (DPE-AM), sobre o estupro sofrido dentro do hospital. A grávida afirma ter sido dopada e abusada sexualmente pelo técnico em enfermagem.

 

Em relato, a mulher ainda acusa autoridades, como o prefeito de Itacoatiara, Mário Abrahim, de omissão diante do caso.

 

“Fui dopada e estuprada dentro do hospital de Itacoatiara e ninguém fez nada para me ajudar porque não existe monitoramento. Não fizeram exame de corpo de delito antes alegando que eu estava sob efeito de remédios, sendo que o exame dever ser feito de imediato. Fui acusada de mentir, enquanto ele (agressor) está solto”, relatou a jovem.

 

O magistrado diz ainda que o profissional da saúde representa ameaça à outras pacientes, caso permaneça solto.

 

A Polícia tem o prazo de 180 dias, a contar da expedição do mandado de prisão, para efetivar o decreto prisional.

Sobe Catracas

CLEINADO MARINHO, diretor de produção

Dirigiu filme de animação com personagens indígenas em cenário pandêmico, que passa em São Gabriel da Cachoeira, e será lançado no Youtube

Desce Catracas

AGUINALDO MARTINS, ex-prefeito de Manaquiri (AM)

Após dez anos, foi processado pelo MPAM acusado de integrar esquema de emissão de notas frias para fraude no fornecimento de combustíveis, em seu mandato de 2012