Domingo, 28 de novembro de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 23/11/2021

Sargento do Exército teve morte encomendada por R$ 65 mil, diz delegado

Pistoleiro confessou a autoria do crime.

Sargento do Exército teve morte encomendada por R$ 65 mil, diz delegado Polícia prendeu Silas Ferreira da Silva que confessou o crime

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - A Polícia Civil já sabe que Silas Ferreira da Silva, 26 anos, recebeu R$ 65 mil, como pagamento, para matar o sargento do Exército, Lucas Ramon Silva Guimarães, 29 anos.

 

A informação é do delegado Ricardo Cunha, titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros. O pistoleiro foi preso ontem (22) no bairro Colônica Santo Antônio, zona leste de Manaus, e confessou a autoria do crime.

 

A DEHS agora aprofunda as investigações para saber quem é ou são os mandantes. Um homem intermediou a contratação do acusado para encomendar a morte do sargento.

 

“Ele informou que recebeu esse valor de R$ 65 mil para o cometimento desse crime. Tanto o veículo quanto a arma do crime, vestimenta, tênis, segundo ele, foi dado por essa pessoa”, afirmou o delegado.

 

A Polícia também investiga a suposta participação dos empresários Joabson Agostinho Gomes e Jordana Azevedo Freire, donos do Supermercado Vitória. Eles foram presos suspeitos de serem os mandantes do homicídio.

 

A delegada Mana de Miranda, adjunta da DEHS, que esteve a frente do caso, disse que as investigações apontavam para uma relação extra conjugal entre o sargento e Jordana. O Superior Tribunal de Justiça mandou soltar o casal no começo deste mês.  

 

Sargento Lucas foi executado a tiros no dia 1º de setembro, deste ano, dentro de uma cafeteria de sua propriedade, localizada no bairro Praça 14 de Janeiro, em Manaus.

 

Sobe Catracas

MÁRIO DE MELLO, presidente do TCE-AM

Recebeu a Medalha de Honra ao Mérito 'Desembargador Décio Erpen', durante o 87º Encontro de Corregedores-Gerais dos Tribunais de Justiça do Brasil, no Maranhão

Desce Catracas

MATHEUS ALMEIDA, prefeito de Monte Alegre (PA)

Justiça Eleitoral cassou o mandato dele e do vice, por antecipação do pagamento de 13º salário às vésperas da eleição 2018