Domingo, 28 de novembro de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 16/11/2021

CARLOS SANTIAGO - Presidenciáveis e possibilidades

CARLOS SANTIAGO - Presidenciáveis e possibilidades Carlos Santiago

Há inúmeros postulantes ao cargo de presidente da República. Alguns se lançam para disputar e vencer; outros, apenas para barganhar espaço político e poder; há, ainda, candidatura movida por vaidades ou por exposição da marca partidária.

 

Lula (PT) é forte candidato. Tem carisma, eleitorado cativo, um forte partido e fez governos com realizações e com popularidade. Porém, aconteceram escândalos de corrupção envolvendo os seus governos e seus correligionários. Além disso, tempo na vida pública traz desgaste. Se Lula conseguir montar uma boa aliança eleitoral e convencer uma parcela do eleitoral que não tem envolvimento com a corrupção e que pode superar a crise atual, ele terá condições de obter um terceiro mandato.

 

Bolsonaro é muito competitivo. Possui seguidores fiéis. Terá uma forte aliança nacional e nos Estados, com caciques e novas lideranças, mas faz um governo sem grandes realizações e enfrenta uma forte rejeição por causa da pandemia do coronavírus e pela crise econômica. Se Bolsonaro melhorar os indicadores econômicos, baixar a sua rejeição popular e conseguir implantar o Auxílio Brasil, poderá conquistar mais um mandato.

 

Ciro Gomes (PDT) é um candidato muito qualificado. Experiente, tem realizações e detém boas ideias e propostas. Porém, ainda não possui aliança nacional e regional fortes. A maioria do seu eleitorado é do mesmo campo político de Lula, em especial na região do Nordeste. Além disso, Ciro Gomes se envolve em conflitos desnecessários. Ademais, com a entrada de Sérgio Moro na corrida presidencial a posição de Ciro fica mais difícil.

 

Sérgio Moro (Podemos) para presidente ainda é uma interrogação. É conhecido, possui admiradores e ingressou num partido político sem imagem negativa. Tem apoio da grande imprensa. No entanto, terá que responder ao eleitorado sobre suas decisões como juiz da Operação Lava Jato e da sua atuação ao lado do presidente Bolsonaro. Moro é hoje o melhor nome da Terceira Via política.

 

Rodrigo Pacheco (PSD) é desconhecido. Não tem lastro político. Presidente de um Poder desgastado. Terá dificuldade para consolidar o seu nome e ser viável, principalmente nesse momento em que o eleitorado não quer apostar em nomes desconhecidos. É mineiro, filiado num partido forte e tem bom trânsito junto aos partidos de centro.

 

Luiz Mandetta (União Brasil) ainda não tem o apoio do seu partido. Ficou enfraquecido com o nome de Sérgio Moro dentro campo da Terceira Via eleitoral, com passagem prévia pelo Ministério da Saúde, durante a pandemia, mas depois da sua saída não obteve melhores espaços na mídia.

 

O PSDB não escolheu o seu pré-candidato. Até o momento nenhum deles empolgam o partido e o eleitorado. Essa prévia que está sendo realizada pode inclusive dividir ainda mais o PSDB. Arthur Neto, João Dória e Eduardo Leite estão com dificuldades fora e dentro do partido para tornarem-se competitivos.

 

Simone Tebet (MBD) é de família tradicional da política. É filiada a um grande partido e é uma senadora atuante. Porém, desconhecida e não consegue unir o MDB. Por isso, é muito difícil na atual quadra política manter a sua pré-candidatura.

 

O professor Luiz Felipe será um candidato para marcar posição e divulgar as ideias do Partido Novo. Desconhecido e sem força política. Ele irá buscar recuperar a imagem do Partido Novo que ficou muito ligado ao presidente Bolsonaro.

 

A ex-ministra Marina Silva (REDE) é uma mulher fantástica. Séria e respeitada. Experiente e realizadora. Mas, no atual quadro político, ela só tem chance a uma das vagas na Câmara dos Deputados.

 

Portanto, o momento é de identificar nomes, avaliar possibilidades e apontar caminhos, mas a decisão real e autônoma será do eleitorado em 2022.

 

*O auto é sociólogo, analista político e advogado*

Sobe Catracas

MÁRIO DE MELLO, presidente do TCE-AM

Recebeu a Medalha de Honra ao Mérito 'Desembargador Décio Erpen', durante o 87º Encontro de Corregedores-Gerais dos Tribunais de Justiça do Brasil, no Maranhão

Desce Catracas

MATHEUS ALMEIDA, prefeito de Monte Alegre (PA)

Justiça Eleitoral cassou o mandato dele e do vice, por antecipação do pagamento de 13º salário às vésperas da eleição 2018