Quarta, 27 de outubro de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 12/10/2021

Cassado, Adail Filho 'lança' Keitton Pinheiro candidato a prefeito de Coari

Vídeo foi lançado na data que se celebra o dia do prefeito

Cassado, Adail Filho 'lança' Keitton Pinheiro candidato a prefeito de Coari Cassado, Adail Filho 'lança' Keitton Pinheiro candidato a prefeito de Coari

DEAMAZÔNIA COARI, AM - O prefeito cassado, Adail Filho, lançou o primo dele, o ex-vereador Keiton Pinheiro (PP), candidato a prefeito de Coari, nas eleições marcadas para ocorrer em novembro deste ano.

 

Na quinta-feira (7/10) da semana passada, o Tribunal Superior Eleitoral manteve a decisão do TRE/AM cassando a chapa de Adail, por configurar terceiro mandato, e mandou realizar novas eleições em Coari, no mês de novembro.

 

Um dia depois, Adail Filho, aproveitou a data em comemoração ao dia do prefeito, a mesma do aniversário do primo, para lançar a candidatura rumo à Prefeitura.

 

Em um vídeo de 15 segundos, que publicou em sua página nas redes sociais, Adail diz que Keitton é o mais preparado.

 

No vídeo, Adailzinho usa imagens dele e do primo, da campanha de 2020 que elegeu a chapa que foi cassada pelo TSE. Na ocasião Keitton era o vice.

 

Tudo ocorreu sem o Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas marcar a data da eleição e o período de campanha.  

 

Atualmente, quem reponde pela Prefeitura é a presidente da Câmara, vereadora Dulce Menezes, tia do prefeito cassado.

 

Quem deve disputar a Prefeitura de Coari, pela oposição, é Robson Tiradentes Jr (PSC), sobrinho do radialista Ronaldo Tiradentes.     

 
 
 
 
 
View this post on Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Adail Filho (@adailfilho)

Sobe Catracas

MÁRIO FLÁVIO NOVO JR, designer e empreendedor

Software de gestão para automatizar tarefas nas áreas de gestão fiscal e financeira, criado pelo parintinense, ganha destaque nacional e faz sucesso em bares e restaurantes

Desce Catracas

WILLIAM FONSECA, prefeito de Oriximiná (PA)

Teve o mandato cassado pela Câmara de Vereadores, acusado de contratar 1,5 mil servidores temporários, sem processo seletivo