Quarta, 27 de outubro de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 09/10/2021

Governo Bolsonaro recua e diz que vai distribuir absorventes gratuitamente

O presidente Jair Bolsonaro vetou nesta semana trechos da nova lei que previa a oferta gratuita de absorventes a mulheres de baixa renda

Governo Bolsonaro recua e diz que vai distribuir absorventes gratuitamente (Foto: Sergio Lima / AFP - Getty Images file)

BRASÍLIA - Acusado de não dar a devida atenção às necessidades de meninas e mulheres sem condições de comprarem absorventes menstruais, o governo garantiu agora que vai viabilizar a aplicação de um projeto que prevê a distribuição gratuita dos protetores femininos.

 

O tema virou uma grande polêmica nos últimos dias, depois que o presidente Jair Bolsonaro vetou, nesta semana, trechos da nova lei que previa a oferta gratuita de absorventes  e outros cuidados básicos de saúde menstrual, desgastando a imagem do chefe do Executivo.

 

A decisão excluiu a previsão de que o item seja distribuído sem custos a estudantes de baixa renda de escolas públicas e mulheres em situação de rua ou de vulnerabilidade extrema.

 

Numa série de tuítes, a Secretaria de Comunicação (Secom) do governo alegou que a atribuição de descaso não passa de uma "narrativa falsa e inconsistente" e afirmou que há o reconhecimento do mérito da medida, tendo sancionado, inclusive, a criação do Programa de Proteção e Promoção da Saúde Menstrual.

 

"O governo seguirá empenhando-se por todos os brasileiros", garantiu a Secom. "Apesar dos vetos, o Governo Federal irá trabalhar para viabilizar a aplicação dessa medida, respeitando as leis que envolvem o tema, para atender de forma adequada as necessidades dessa população", continuou.

Leia mais no Estado de Minas

Sobe Catracas

MÁRIO FLÁVIO NOVO JR, designer e empreendedor

Software de gestão para automatizar tarefas nas áreas de gestão fiscal e financeira, criado pelo parintinense, ganha destaque nacional e faz sucesso em bares e restaurantes

Desce Catracas

WILLIAM FONSECA, prefeito de Oriximiná (PA)

Teve o mandato cassado pela Câmara de Vereadores, acusado de contratar 1,5 mil servidores temporários, sem processo seletivo