Quarta, 27 de outubro de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 18/09/2021

Omar quer incluir ministro da CGU no relatório final da CPI como 'prevaricador'

Wagner Rosário terá que explicar à CPI da Pandemia, na terça (21), por que não impediu compra irregular de vacinas, conforme afirma o presidente da Comissão

Omar quer incluir ministro da CGU no relatório final da CPI como 'prevaricador' Senador Omar Aziz (Foto: Pedro França/Agência Senado)

DEAMAZÔNIA BRASÍLIA - O presidente da CPI da Pandemia, senador Omar Aziz (PSD-AM), defendeu nesta quarta-feira (15) que o ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, seja enquadrado no relatório final da comissão por “prevaricação” diante de supostas irregularidades na compra da vacina Covaxin, pelo Ministério da Saúde.

 

Para Aziz, Wagner foi omisso em relação as suspeitas de irregularidades na aquisição do imunizante, durante a pandemia.

 

“O que ele tem que explicar não é as operações que ele fez, é a omissão dele em relação ao governo federal. Tem que vir, mas não tem que vir para jogar para a torcida, não. Ele vai jogar aqui é no nosso campo. E Wagner Rosário, que tinha acesso a essas mensagens [sobre negociações de compra de vacinas pelo Ministério da Saúde] desde 27 de outubro de 2020, ele é um prevaricador”, disse o presidente da CPI.

 

Segundo o Código Penal brasileiro, o crime de prevaricação configura quando um funcionário público "retarda ou deixa de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal".

 

A CPI da Pandemia ouve na terça-feira (21), a partir das 9h30, o ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário. Pelo requerimento do senador Eduardo Girão (Podemos-CE), Wagner Rosário deveria falar de investigações sobre desvio de recursos liberados pela União para estados e municípios.

 

Wagner Rosário usou uma rede social para responder ao presidente da CPI. O ministro acusou Omar de cometer o crime de calúnia.

 

“Senador Omar Aziz, calúnia é crime!!! A autoridade antecipar atribuição de culpa, antes de concluídas as apurações e formalizada a acusação também é crime!!! Aguardando ansiosamente sua convocação”, escreveu.

 

O presidente da CPI usou a mesma rede social para reafirmar a acusação contra Wagner Rosário. “Prevaricação também é crime”, publicou Omar Aziz.

Sobe Catracas

MÁRIO FLÁVIO NOVO JR, designer e empreendedor

Software de gestão para automatizar tarefas nas áreas de gestão fiscal e financeira, criado pelo parintinense, ganha destaque nacional e faz sucesso em bares e restaurantes

Desce Catracas

WILLIAM FONSECA, prefeito de Oriximiná (PA)

Teve o mandato cassado pela Câmara de Vereadores, acusado de contratar 1,5 mil servidores temporários, sem processo seletivo