Quarta, 27 de outubro de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 06/09/2021

Em Manaus, atos pró e contra Bolsonaro, estarão a 300 metros de distância

As duas manifestações no dia 7 de setembro, no Centro da cidade, iniciam às 15h

Em Manaus, atos pró e contra Bolsonaro, estarão a 300 metros de distância (Fotos: Reprodução/Redes Sociais)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - Os atos pró e contra o governo de Jair Bolsonaro (sem partido), em Manaus, neste dia 7 de setembro, Dia da Independência, estarão a um quarteirão de distância (pouco mais de 300 metros), no centro histórico da capital. Apenas 300 metros irão separar as duas manifestações.

 

Os protestos em favor do governo, convocado pelo ex-superintendente da Suframa, coronel Alfredo Menezes, terá concentração na Praça do Congresso, a partir das 15h, e seguirá para o Largo São Sebastião. No local, será dado um ‘abraço simbólico’ no centro da cidade.

 

“Todos os MOVIMENTOS CONSERVADORES E DE DIREITA DO AMAZONAS estão convidados para participar no dia 07 de setembro, na PRAÇA DO CONGRESSO, deste grande movimento pela nossa LIBERDADE!”, escreveu Menezes, no Twitter.

 

Enquanto isso, o Grito dos Excluídos e Excluídas, organizado pela Arquidiocese de Manaus, e que contará com apoio dos movimentos sociais pelo “Fora Bolsonaro’, passará na quadra ao lado da rua Epaminondas.

 

Com o tema “Na luta por participação popular, saúde, comida, moradia, trabalho e renda, já!”, o Grito dos Excluídos e Excluídas deste ano ocorrerá no Largo do Mestre Chico, na avenida Sete de Setembro, com concentração a partir das 15h.

 

Além dos dois atos no Centro de Manaus, manifestações devem ocorrer no Distrito Industrial e na região da Ponta Negra.

Sobe Catracas

MÁRIO FLÁVIO NOVO JR, designer e empreendedor

Software de gestão para automatizar tarefas nas áreas de gestão fiscal e financeira, criado pelo parintinense, ganha destaque nacional e faz sucesso em bares e restaurantes

Desce Catracas

WILLIAM FONSECA, prefeito de Oriximiná (PA)

Teve o mandato cassado pela Câmara de Vereadores, acusado de contratar 1,5 mil servidores temporários, sem processo seletivo