Segunda, 20 de setembro de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 08/06/2021

Romero Reis defende armamento da população amazonense

Candidato a prefeito de Manaus em 2020, oficial da reserva do Exército se posicionou contra o estatuto do desarmamento por acreditar que "a população deve ter o direito de se proteger"

Romero Reis defende armamento da população amazonense Romero Reis defende armamento da população amazonense (Foto: Divulgação)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - O empresário que disputou a prefeitura de Manaus nas eleições do ano passado, Romero Reis, nesta segunda-feira (7/6), utilizou suas mídias sociais para defender o armamento pela população a fim de se defender dos criminosos.

 

Manaus e mais três municípios do interior do Amazonas vivem uma onda de violência, com ataques incendiários de facções criminosas em viaturas, praças públicas, agências bancárias e etc.

 

Para Reis, as ações do crime organizado desestruturam o andamento das atividades funcionais tanto da capital quanto de diversos municípios do Amazonas.

 

O oficial da reserva do Exército Brasileiro posicionou-se contra o estatuto do desarmamento por acreditar que “a população deve ter o direito de se proteger”.  

 

“Bandidos e criminosos estão fazendo verdadeiros atos de terrorismo contra a população. Eu sou contra o estatuto do desarmamento porque cidadãos de bem tem direito de defender a sua vida, da sua família e a sua propriedade. Isso não é por armas, é por liberdade. Que Deus abençoe a polícia civil e militar”, argumentou.

 

Romero defendeu a bandeira da reestruturação do desarmamento para beneficiar o cidadão brasileiro durante a campanha eleitoral com ressalva de que o porte de arma seja concedido a quem for aprovado em teste psicológico e em curso próprio para a utilização do armamento de forma a evitar acidentes e uso desnecessário.

Sobe Catracas

IZABELLE RIBEIRO, cantora

Amazonense de 14 anos está na final do 'The Voice Kids', da TV Globo

Desce Catracas

ANTÔNIO ANDRADE, presidente do Boi Garantido

Justiça mandou suspender assembleia geral do bumbá que proíbia a entrada de sócios inadimplentes