Sábado, 12 de junho de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 07/06/2021

Presidente da Aleam pede intervenção das Forças Armadas no Amazonas

Trabalhos presenciais da Aleam foram suspensos nesta segunda (7), devido a onda de violência que Manaus vive; atividades vão permanecer remotas

Presidente da Aleam pede intervenção das Forças Armadas no Amazonas Presidente da Aleam, Roberto Cidade, solicita intervenção das Forças Armadas no Amazonas (Foto: Evandro Seixas)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - O presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), deputado Roberto Cidade (PV), enviou, neste domingo (6), um ofício ao Governo Federal solicitando a intervenção das Forças Armadas na Segurança Pública do Estado. O pedido vem após a série de ataques de uma facção criminosa a órgãos públicos e ônibus em Manaus.

 

No documento, Roberto Cidade destaca o Artigo 142 da Constituição Federal que estabelece a Garantia da Lei e da Ordem (GLO) em casos como este.

 

Segundo o parlamentar, não é tolerável a ousadia dos criminosos que além de amedrontar a sociedade, depredaram patrimônios públicos.

 

“Num ato de total ousadia contra as forças de segurança do Estado, integrantes de uma facção criminosa incendiaram ônibus, atearam fogo em ambulâncias, órgãos públicos, agências bancárias e até em uma delegacia de polícia. O que presenciamos hoje é um absurdo que não pode ser tolerado. Precisamos garantir a segurança da população amazonense”, destacou.

 

 

 

Suspensão dos trabalhos

Por determinação de Roberto Cidade, os trabalhos presenciais da Aleam foram suspensos nesta segunda-feira (7), a fim de resguardar a integridade dos servidores.

 

As atividades vão permanecer remotas até a situação se normalizar e todos possam retornar ao trabalho em segurança.

Tags:

Sobe Catracas

RENATO MEDICIS, presidente da Águas de Manaus

Para incentivar vacinação contra a Covid-19, concessionária irá oferecer transporte a todos colaboradores, com mais 40 anos, que forem se vacinar

Desce Catracas

RAIMUNDO FONSECA, ex-presidente da Câmara de Japurá

Tribunal de Contas do Amazonas reprovou as contas dele, referentes a 2015, e aplicou multa de R$ 100 mil