Sábado, 12 de junho de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 04/06/2021

Parintins prorroga toque de recolher de 22h às 5h por mais 15 dias

Segue permitido o funcionamento de igrejas, restaurantes, bares e academias, com 50% da lotação total

Parintins prorroga toque de recolher de 22h às 5h por mais 15 dias Trecho da orla de Parintins (Foto: Yuri Pinheiro)

DEAMAZÔNIA PARINTINS, AM - O prefeito de Parintins, Bi Garcia (DEM), prorrogou nesta sexta-feira (4/6), por meio de decreto municipal, o toque de recolher no município e as medidas restritivas em combate à proliferação do novo coronavírus. O toque de recolher permanece das 22h às 5h. A determinação vale até o dia 20 de junho.

 

Segundo o Decreto Municipal nº 94/2021-PGMP, segue permitido o funcionamento de igrejas, restaurantes, lanchonetes, bares, academias, cursos técnicos, cursos pré-vestibulares, cursos técnicos e cursos d nível superior da iniciativa privada com 50% da lotação total.

 

Transporte fluvial de passageiros em barcos e navios segue com permissão de 50% da capacidade, enquanto lanchas podem viajar com 100% da capacidade.

 

Práticas esportivas coletivas seguem permitidas, sem a realização de competições. Festas e eventos públicos e privados seguem proibidos.

 

O funcionamento dos estabelecimentos está condicionado às normas de capacidade total, distanciamento social, exigência no uso de máscara e fornecimento de álcool 70% líquido ou em gel para higienização. O não cumprimento das medidas acarreta em multas que vão de R$ 1.000,00 (mil reais) a R$ 5.000,00 (cinco mil reais).

 

As medidas estabelecidas no decreto, segundo o prefeito de Parintins, Bi Garcia, tem o objetivo de evitar a proliferação do novo coronavírus e resguardar a população do município durante a pandemia.

Sobe Catracas

RENATO MEDICIS, presidente da Águas de Manaus

Para incentivar vacinação contra a Covid-19, concessionária irá oferecer transporte a todos colaboradores, com mais 40 anos, que forem se vacinar

Desce Catracas

RAIMUNDO FONSECA, ex-presidente da Câmara de Japurá

Tribunal de Contas do Amazonas reprovou as contas dele, referentes a 2015, e aplicou multa de R$ 100 mil