Domingo, 11 de abril de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 07/04/2021

Grupo francês arremata aeroportos do Amazonas por R$ 420 milhões

Grupo Vinci Airports adquiriu todo os terminais do Bloco Norte, incluindo o de Manaus, Tefé e Tabatinga, em leilão que rendeu R$ 3,3 bilhões ao Governo Federal

Grupo francês arremata aeroportos do Amazonas por R$ 420 milhões Aeroporto de Manaus/2018 (Foto: Manaus Flickr/PAC/Divulgação)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - Os aeroportos de Manaus, Tefé e Tabatinga, no Amazonas, foram arrematados nesta quarta-feira (7/4) pela empresa francesa Vinci Airports – que administra terminais aeroportuários em Paris –, por R$ 420 milhões, um ágio de 777% sobre o preço mínimo estipulado pelo governo federal.

 

O lance mínimo havia sido definido em R$ 47,9 milhões.

 

Além dos terminais do Amazonas, a empresa fica com todo o bloco Norte, composto pelos aeroportos de Porto Velho (RO), Rio Branco (AC), Cruzeiro do Sul (AC) e Boa Vista (RR).

 

O leilão, batizado pelo Ministério da Infraestrututa de ‘InfraWeek’, aconteceu na B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), e foram concedidos 22 aeroportos em 12 estados, arrecadando-se R$ 3,3 bilhões em outorgas.

 

As empresas vencedoras do leilão deverão fazer investimentos da ordem de R$ 6 bilhões durante os 30 anos da concessão. Sendo R$ 1,48 bilhão para o Bloco Norte.

 

A Companhia de Participações em Concessões, do grupo CCR, levou dois dos três blocos e foi responsável pelo maior lance, de R$ 2,1 bilhões, pelo bloco Sul, composto por nove aeroportos na região sul do país, incluindo os de Curitiba e Foz do Iguaçu, no Paraná.

 

A concorrência foi feita pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) em três blocos: Norte, Sul e Central.

 

Sobe Catracas

SHOGO SHIMA, estudante

Amazonense de 18 anos gabaritou prova de Matemática e Suas Tecnologias ao acertar as 45 questões no Enem 2020

Desce Catracas

JACIARA PICANÇO, vice-prefeita de Terra Santa (PA)

Vice-prefeita e mais quatro servidores municipais e ex-servidores tiveram bens bloqueados pela Justiça no total de R$ 1 milhão, por licitação irregular na saúde entre os anos de 2011 a 2015