Domingo, 11 de abril de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 05/04/2021

Marcelo Ramos questiona queda brusca no ritmo de vacinação no Amazonas

Vice-presidente da Câmara dos Deputados protocolou um requerimento junto a 1ª Vara Federal Cível, endereçado à juíza Jaiza Fraxe

Marcelo Ramos questiona queda brusca no ritmo de vacinação no Amazonas Vice-presidente da Câmara, deputado Marcelo Ramos (Foto: Divulgação)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - O vice-presidente da Câmara dos Deputados, Marcelo Ramos (PL-AM), apresentou requerimento de pedido de informações sobre a desaceleração rápida no ritmo da vacinação no Amazonas. O documento foi protocolado junto à 1ª Vara Federal Cível, endereçado à juíza Jaiza Fraxe. 

                                                                   

“Acompanhando de perto as informações sobre a pandemia que assola nosso Estado e o país, recebi com muita preocupação os indicadores mais recentes sobre a vacinação no Amazonas”, afirmou, lembrando que o estado saiu de primeiro lugar na aplicação do imunizante para a quinta colocação. 

 

Segundo Ramos, embora recentemente tenha ocorrido um grande feriado santo, foi surpresa para ele que a vacinação tenha despencado tanto a ponto de o Amazonas ter ido para a “zona de rebaixamento”, ficando com números muito abaixo da média nacional, conforme levantamento do consórcio dos veículos de imprensa.

 

“Acredito que as autoridades tenham de ficar vigilantes, mesmo porque o próprio Governo acaba de admitir a possibilidade de uma terceira onda”, disse Marcelo Ramos, acrescentando que, por essa razão, protocolou pedido de informações às Secretarias Municipal de Manaus e Estadual de Saúde do Amazonas.

 

LEIA AQUI A PETIÇÃO

 

Sobe Catracas

SHOGO SHIMA, estudante

Amazonense de 18 anos gabaritou prova de Matemática e Suas Tecnologias ao acertar as 45 questões no Enem 2020

Desce Catracas

JACIARA PICANÇO, vice-prefeita de Terra Santa (PA)

Vice-prefeita e mais quatro servidores municipais e ex-servidores tiveram bens bloqueados pela Justiça no total de R$ 1 milhão, por licitação irregular na saúde entre os anos de 2011 a 2015