Domingo, 11 de abril de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 03/04/2021

CIF fecha bares e festas por descumprimento ao decreto na sexta-feira santa, em Manaus

Na ação, oito estabelecimentos foram fechados e uma pessoa foi conduzida à delegacia

CIF fecha bares e festas por descumprimento ao decreto na sexta-feira santa, em Manaus (Foto: Arthur Castro / Secom)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - Na noite de sexta-feira (02/04), agentes da Central Integrada de Fiscalização (CIF) fecharam oito estabelecimentos, entre bares e festas clandestinas, que descumpriram o decreto governamental, com medidas para contenção da Covid-19. Durante a ação, realizada nas zonas sul e centro-sul, uma pessoa foi conduzida à delegacia para prestar esclarecimentos.

 

"A princípio a gente procura orientar o proprietário, mas de acordo com a situação em que a gente encontra o estabelecimento, é necessário tomar medidas cabíveis mais rigorosas", explicou Antônio Júnior, fiscal da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM).

 

Durante as vistorias, um homem responsável por um estabelecimento no qual funcionava uma festa clandestina, no bairro Centro, foi conduzido à delegacia para prestar esclarecimentos.

 

Ação conjunta

A CIF, coordenada pela SSP, conta com apoio das polícias Civil e Militar, Corpo de Bombeiros, agentes do Instituto Municipal de Mobilidade Urbana (IMMU), Vigilância Sanitária Municipal (Visa Manaus), Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM) e do Programa Estadual de Proteção e Orientação ao Consumidor (Procon-AM).

 

Denúncias

Delações referentes a estabelecimentos comerciais ou festas clandestinas, que descumprem decreto governamental ou possuam outras irregularidades podem ser feitas ao 190 ou ao 181, o disque-denúncia da SSP-AM.

 

Sobe Catracas

SHOGO SHIMA, estudante

Amazonense de 18 anos gabaritou prova de Matemática e Suas Tecnologias ao acertar as 45 questões no Enem 2020

Desce Catracas

JACIARA PICANÇO, vice-prefeita de Terra Santa (PA)

Vice-prefeita e mais quatro servidores municipais e ex-servidores tiveram bens bloqueados pela Justiça no total de R$ 1 milhão, por licitação irregular na saúde entre os anos de 2011 a 2015