Domingo, 11 de abril de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 27/03/2021

Pesquisa aponta que 83% das amostras de pacientes com covid do Rio são da variante amazônica

Desde janeiro, 210 genomas foram colhidos de pacientes no estado para análise nos laboratórios da Fiocruz ou Noel Nutels (Lacen-RJ)

Pesquisa aponta que 83% das amostras de pacientes com covid do Rio são da variante amazônica Laboratório Central Noel Nutels | LACEN-RJ (Foto: Reprodução/Facebook)

DEAMAZÔNIA RIO - Uma análise feita nos laboratórios Fiocruz e Noel Nutels (Lacen-RJ), no Rio de Janeiro, identificou que de 210 genomas colhidos, desde janeiro, de pacientes infectados pela Covid-19, 176, ou seja, 83% deles, são da variante do vírus, batizada de P1, descoberta em Manaus, no Amazonas. A informação é do Jornal O Globo.

 

A reportagem deste sábado (27/3) diz ainda que, para cientistas e autoridades públicas, o avanço da nova cepa pode ser um dos fatores que têm contribuído para o aumento no número de casos e internações, sobretudo na cidade do Rio.

 

Especialistas dizem que mutação é mais contagiosa do que o vírus original e outras cepas e que efeito pode ser devastador se somado ao desrespeito às regras sanitárias.

 

Ainda de acordo com o O Globo, além da linhagem amazônica, nas amostras colhidas foram contatados 7 casos da B.1.1.7, do Reino Unido, também mais contagiosa.

 

A prefeitura do Rio constatou ainda que 183 casos dessas novas variantes analisadas por laboratórios de referência são de casos ocorridos na capital. Desses, 145 eram moradores do Rio de pelo menos 16 bairros diferentes, das zonas Norte, Sul e Oeste, o que ajuda a ilustrar o quanto a nova mutação já se espalhou pelo município. Apenas sete delas não estavam com a P1, mas com a britânica B.1.1.7.

 

LEIA A MATÉRIA COMPLETA EM O GLOBO

Sobe Catracas

SHOGO SHIMA, estudante

Amazonense de 18 anos gabaritou prova de Matemática e Suas Tecnologias ao acertar as 45 questões no Enem 2020

Desce Catracas

JACIARA PICANÇO, vice-prefeita de Terra Santa (PA)

Vice-prefeita e mais quatro servidores municipais e ex-servidores tiveram bens bloqueados pela Justiça no total de R$ 1 milhão, por licitação irregular na saúde entre os anos de 2011 a 2015