Terça, 18 de maio de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 05/01/2021

AUGUSTO BERNARDO CECÍLIO - A vez do cooperativismo

AUGUSTO BERNARDO CECÍLIO - A vez do cooperativismo Augusto Bernardo Cecílio é auditor fiscal e professor

Cooperativismo é um movimento social e econômico baseado na cooperação de associados em atividades econômicas. É uma alternativa colaborativa do mercado que propõe benefícios a todos os envolvidos, almejando mais as necessidades em grupo que o lucro, buscando uma prosperidade conjunta.

 

Segundo José Horta Valadares e baseado em dados da Aliança Cooperativa Internacional – ACI, estima-se que 800 milhões de pessoas são associadas de cooperativas em todo o mundo. Além disso, pelo fato de os negócios cooperativos serem importantes não somente para seus associados e funcionários, mas também para seus familiares, o total de pessoas que, direta e indiretamente, têm suas vidas ligadas ao cooperativismo é estimado em 3 bilhões, o que representa a metade da população mundial.

 

Em muitos países, como a Áustria, Canadá, Chipre, Finlândia, Israel, Uruguai, França, Bélgica, Noruega, Dinamarca, Índia, Japão, Malásia, Portugal, Sri Lanka e Estados Unidos os associados de cooperativas atingem elevadas proporções em relação à população total e, em termos econômicos, o movimento cooperativista mundial é bastante significativo.

 

Nos países em desenvolvimento a exportação de produtos agrícolas gerados por cooperativas possui uma participação entre 10% a 20% do PIB e os empreendimentos cooperativos estão presentes em todas as áreas da atividade econômica e, praticamente em todos os países, o cooperativismo se destaca em pelo menos uma área.

 

Quarenta e três por cento do crédito rural da Índia é viabilizado pelas cooperativas de crédito ou pelos bancos cooperativos. No Brasil, um terço dos médicos são associados à maior cooperativa médica da América Latina. São inegáveis as vinculações entre a filosofia e a prática empresarial cooperativista e as necessidades e os desafios atuais do desenvolvimento da humanidade.

 

A livre adesão, expressão máxima da liberdade de expressão sem discriminação de raça, credo ou religião. O controle democrático dos cooperados, que se soma à distribuição equânime da riqueza gerada pela economia cooperativa, base da democracia econômica e em franca oposição a acumulação de riqueza e francamente favorável ao fortalecimento social e político das comunidades.

 

Outro princípio cooperativo nos remete à chave do mundo moderno: a educação, o único acesso ao conhecimento e as tecnologias de todos os tipos e para todas as finalidades. A convivência comunitária preconizada pelo cooperativismo como modelo de um novo comportamento que se oponha à exclusão global e à ruptura cultural entre os povos.         

 

As necessidades do mundo moderno se enquadram no mesmo conjunto de valores que o cooperativismo vem depurando há mais de 150 anos, em torno do valor maior, qual seja a promoção de um ambiente social no qual a humanidade seja o centro das considerações para um desenvolvimento sustentável e voltado à paz.

 

A despeito de todas as considerações de ordem prática decorrente do fato e ser um empreendimento negociável de natureza econômica, o cooperativismo demonstra que a natureza do econômico só se completa na dimensão social da vida em comunidade e que é possível gerar desenvolvimento econômico sem exclusão, desemprego, concentração de renda e fome.

*O autor é auditor fiscal e professor

Sobe Catracas

DOMINGOS CHALUB, presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas

TJAM faz história ao ficar acima da 'média Brasil', em relação às Metas Nacionais do CNJ no ano de 2020

Desce Catracas

BETO D'ÂNGELO, prefeito de Manacapuru (AM)

MP/AM abriu um inquérito contra a Prefeitura para investigar suposta apropriação dos valores do Fundo Previdenciário Municipal