Terça, 18 de maio de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 31/12/2020

AUGUSTO BERNARDO CECÍLIO - Atitude

AUGUSTO BERNARDO CECÍLIO - Atitude Augusto Bernardo Cecílio

A diferença entre os Países pobres e os ricos não é a idade do país. Isto pode ser demonstrado por países como Índia e Egito, que tem mais de 2000 anos e são pobres. Por outro lado, Canadá, Austrália e Nova Zelândia, que há cerca de 150 anos eram inexpressivos, hoje são países desenvolvidos e ricos.

 

A diferença entre países pobres e ricos também não reside nos recursos naturais disponíveis. O Japão possui um território limitado, 80% montanhoso, inadequado para a agricultura e a criação de gado, mas é a segunda economia mundial. O país é como uma imensa fábrica flutuante, importando matéria-prima do mundo todo e exportando produtos manufaturados.

 

Outro exemplo é a Suíça, que não planta cacau, mas tem o melhor chocolate do mundo. Em seu pequeno território cria animais e cultiva o solo durante apenas quatro meses no ano. Não obstante, fabrica laticínios da melhora qualidade. É um país pequeno que passa uma imagem de segurança e trabalho, o que o transforma na caixa forte do mundo.

 

Executivos de países ricos que se relacionam com seus pares de países pobres mostram que não há diferença intelectual significante. A raça ou a cor da pele também não são importantes: imigrantes rotulados de preguiçosos em seus países de origem são a força produtiva de países europeus ricos.

 

Qual é então a diferença?

 

A diferença é a atitude das pessoas moldada ao longo dos anos pela educação e pela cultura. Ao analisarmos a conduta das pessoas nos países ricos e desenvolvidos, constatamos que a grande maioria segue os seguintes princípios da vida: a ética como princípio básico, a integridade, a responsabilidade, o respeito às leis e regulamentos, o respeito pelo direito dos demais cidadãos, o amor ao trabalho, o esforço pela poupança e pelo investimento, o desejo de superação e a pontualidade.

 

Nos países mais pobres apenas uma minoria segue esses princípios básicos em sua vida diária. Não somos pobres porque nos faltam recursos naturais ou porque a natureza foi cruel conosco. Somos pobres porque nos falta atitude. Nos falta vontade para cumprir e ensinar esses princípios de funcionamento das sociedades ricas e desenvolvidas.

 

Somos assim por querer levar vantagem sobre tudo e todos. Somos assim por ver algo de errado e dizer: “deixa pra lá”. Devemos ter atitude e memória viva. Só assim mudaremos o Brasil de hoje.

 

Em tempo: esse texto foi recebido via internet, desconheço a autoria, mas faço questão de repassá-lo, na íntegra, aos amigos leitores para ser utilizado nos momentos de reflexão típicos da época em que vivemos, envolvendo o nascimento de Jesus Cristo e a passagem para um novo ano, que se abre por inteiro para nos receber (após um ano cruelmente difícil para a humanidade), esperando de todos nós a retribuição na forma de amor, fraternidade, compreensão, solidariedade, coragem e... atitude.

 

*O autor é auditor fiscal e professor*

Sobe Catracas

DOMINGOS CHALUB, presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas

TJAM faz história ao ficar acima da 'média Brasil', em relação às Metas Nacionais do CNJ no ano de 2020

Desce Catracas

BETO D'ÂNGELO, prefeito de Manacapuru (AM)

MP/AM abriu um inquérito contra a Prefeitura para investigar suposta apropriação dos valores do Fundo Previdenciário Municipal